Porque ainda se testa em animais?

Segundo o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), as empresas necessitam de testes para obter dados caso precisem se defender de algum consumidor “ferido” pelo uso do cosmético. Ainda que seja impossível prever se os resultados em animais terão reações idênticas ao uso em humanos, os testes realizados em animais ainda são mais baratos do que métodos substitutivos, como processos de análise genômica e sistemas biológicos in vitro.

A legislação aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 2014, estabelece restrições ao uso de animais em testes pelas empresas de cosméticos. Ela permite apenas o uso de cobaias em casos específicos como avaliação de irritação e corrosão ocular e da pele, e toxidade aguda. Ainda assim, todas as empresas terão até setembro de 2019 para erradicar o uso de cobaias em seus testes. Em São Paulo, as empresas já são proibidas de realizar testes em animais desde janeiro de 2014, sob pena de multa de até R$1 milhão por cada animal utilizado bem como suspensão de alvará.

Grandes marcas que se dizem contra o teste em animais no Brasil, não são 100% contra. Marcas que estão presentes na China (um dos mercados mais poderosos e valiosos na beleza) são obrigados por lei a apresentarem testes em animais, utilizando-se ainda, dessa pratica.

A Victoire Organique não faz testes em animais e defende o fim desta prática. Somos uma linha de produtos vegetais, que respeita a natureza, as pessoas e os animais, defendendo a pratica não predatória e respeitando o meio ambiente.

Conheça nossa linha SkinCare de sabonetes vegetais a base de argila.

Para cada pele, um cuidado diferente. 



A Victoire Organique